Opinião: entenda de uma vez por todas, o Estado não se importa com os pobres!

Há poucos dias fizemos uma matéria no site parabenizando o atual prefeito de São Paulo, em razão de sua iniciativa para retirar moradores de rua da ociosidade, dando-lhes chance de um trabalho.

Contudo, a hipocrisia que sempre acompanha os componentes do Estado não poderia deixar de se fazer presente neste governante.

Uma semana após lançar o projeto “Trabalho Novo”, João Dória (PSDB), resolveu impedir o funcionamento de vários camelódromos, deixando, portanto, diversas famílias desempregadas.

A atitude do prefeito apenas corrobora aquilo que todo Libertário sempre apontou: o maior inimigo do pobre trabalhador é o próprio Estado. Ele com suas leis protecionistas e um mercado extremamente fechado, coloca barreiras para que o pobre possa abrir seu pequeno negócio e angarie o dinheiro necessário para comprar o pãozinho de cada dia, ainda assim não é raro vermos defensores de um mínimo ou máximo Estado, uma pena.

Dória, porém, não observou certa contradição em suas atitudes, visto que numa semana divulga seu projeto para acabar com o desemprego, posteriormente retira o empregado de diversas pessoas! Não há qualquer coerência entre as medidas tomadas.

Necessitamos desesperadamente de um livre mercado, que o Estado tire suas mãos sujas do comércio e o deixe atuar sozinho, assim o pobre ─ indivíduo que mais sofre com a intervenção estatal ─ poderá abrir seu camelódromo sem temer que a polícia no dia seguinte apareça e o impeça de ganhar seu dinheirinho.

Ademais, uma crítica severa deve ser feita a diversos Liberais que ovacionaram a ação de João Dória; vocês são tão mais hipócritas quanto o próprio prefeito. Advogam pelo laissez-faire, mas, talvez, sua mente ainda se faz enraizada no estatismo; Liberais que comemoraram a expulsão destas pessoas de seus postos de trabalho demonstram que são somente Liberais no nome, pois em mente não passam de estatistas conservadores da pior espécie.

Agora, muitos dos defensores de Dória, inclusive o mesmo, deitarão tranquilamente em suas camas, pois no dia seguinte trabalharão em seus confortáveis empregos e receberão seu salário normalmente; em contrapartida, o pobre trabalhador que teve sua barraca destruída pelo Estado com apoio de certos indivíduos, não dormirá bem, pois não sabe até quando terá dinheiro suficiente para comprar um arroz e feijão para o almoço.

Ademais, diversos sites de esquerda estão argumentando que:

“Vejam só o que a direita está fazendo”

Estou abismado com tamanha hipocrisia destilada por todos os lados! A Esquerda política deveria ser a primeira a se calar, uma vez que a mesma apoia um Estado intervencionista tanto quanto a Direita, advogam igualmente por medidas protecionistas e corporativistas. Portanto, não há diferença de um lado para o outro, ambos não se importam com o pobre trabalhador.

Levantar a questão que o indivíduo comete atos criminosos, como furto ou roubo, por pura maldade e não por falta de oportunidade, diante destes fatos é um tanto quanto incoerente, posto que está se retirando toda oportunidade que a pessoa teria para adquirir certa renda para se manter e não cometer roubos, furtos ou até mesmo traficar entorpecentes.

Reitero que, está mais do que na hora de um mercado isento de intervenção estatal, pois apenas assim o indivíduo pobre poderá mudar o rumo de sua vida e a tão exaltada igualdade ser plenamente praticada.

Fundador do site Mão Invisível, Conselheiro Estadual junto ao Liderança nas Escolas em São Paulo, estudante de Direito e amante de quadrinhos
Loading Facebook Comments ...